ANPECOM - Associação comercial por uma economia de comunhão. Logomarca da ANPECOM, composta por meio globo mostrando o mapa do Brasil seguido do nome da associação

Comunhão em tempos de crise: iniciativas EdC diante do coronavírus

19/03/2020

Como catalisadores das iniciativas e também dos desafios das empresas da Economia de Comunhão, temos recebido muitos relatos por parte dos nossos amigos e empresários.

Muitas vezes, relatos difíceis com relação ao enfrentamento da crise, outros com dicas úteis e informações que podem ajudar os empresários, e ainda narrativas de atitudes concretas que nos inspiram e enchem de esperança como a proteção e bem-estar dos colaboradores e tomadas de decisões que visam o bem comum e não apenas o lucro.

A Associação Nacional por uma Economia de Comunhão sabe que o momento é muito difícil para o país e para os empresários. Um vírus que se alastra com enorme velocidade está colocando em risco nossa economia, nossos negócios e também a nossa saúde e dos nossos colaboradores.

Por isso, sentimos que, assim como fizemos nos últimos 30 anos, é preciso agir em rede e colocar em comunhão nossas ideias e nossos desafios diante dessa crise.

Para isso, a Anpecom está trabalhando em algumas frentes, diante das possibilidades:

 

Webinar

No dia 26, às 20h, vamos realizar um primeiro webinar, uma reunião virtual, para todos aqueles que desejam colocar em comum suas ideias e iniciativas no atual contexto de crise. Todos os empresários e amigos da Economia de Comunhão são convidados. A abertura da reunião será feita pelo economista da Fundação Getúlio Vargas, Ricardo Faria. Em seguida, o microfone será aberto para a partilha espontânea.

Inscreva-se! 

Linkódromo

Preparamos também uma página, que será alimentada com frequência, com links úteis de notícias para o empreendedorismo em tempos de crise. Resoluções do governo, ações dos bancos, guias e sugestões de instituições renomadas para o enfrentamento da crise.

Acesse aqui

Newsletters

Curadoria de conteúdos úteis, provenientes do linkódromo ou não, além de relatos dos nossos empresários diretamente no seu e-mail, uma vez por semana. Em breve, na sua caixa de entrada.

Caso tenha sugestões de conteúdo, escreva para [email protected]

Compartilhamento de boas práticas 

E como um alento, ou quem sabe como uma alternativa às tantas notícias negativas com as quais estamos nos deparando, deixamos três relatos de empresários da EdC, que não obstante as crises e às muitas adversidades, compartilharam estão colocando em prática o bem comum acima dos objetivos pessoais.

Em São Paulo, o empresário de uma grande rede de e-commerce, Bruno Souza, questionou por um momento se as condições de home office dos seus funcionários seriam realmente aconchegantes. Pediu então que eles enviassem fotos dos seus “escritórios” caseiros e percebeu que muitos não tinham a infraestrutura necessária para trabalhar de casa. “Hoje enviei para eles as mesas e cadeiras que cada um utilizava na empresa”, contou em um grupo dos empresários da EdC.

E a corrente continuou. O empresário Vandinson encontrou resistência dos funcionários para adotar as medidas de prevenção e higiene. “A tomada de decisão da liderança é fundamental nessa hora, não pode ser lenta e precisa ser firme. Eu tenho ciência que as nossas ações podem prejudicar a nossa atividade. Não sei o que acontecerá no futuro, mas hoje a equipe está sendo protegida e cuidada pela direção da empresa”, compartilhou.

Sabemos que não somos os únicos a buscar uma atuação corporativa que não foca apenas no lucro. No entanto, compreendemos o quanto esse diferencial presente na EdC influencia diretamente a vida em sociedade e a economia do nosso país.

É o que demonstra a atitude do empresário Armando Tortelli, de Curitiba. “Por trabalhar no setor de saúde, tenho procurado não tirar proveito desta situação. Por exemplo, vamos receber nessa semana 10.000 unidades de álcool gel. E uma rede de farmácias queria comprar a totalidade dos itens. Então pensamos: se colocarmos estes itens numa rede apenas, os preços irão nas nuvens. Assim, preferimos atender nossos atuais clientes, empresas e pessoas físicas. Esta é uma forma de não contribuir para o aumento dos preços. Um asilo estava buscando desesperadamente adquirir 50 unidades e foi uma alegria poder atendê-los”.

 

É tempo de comunhão! E juntos, nós vamos superar essa crise.

Caso queira compartilhar uma ideia, iniciativa, experiência ou sugestão de como podemos nos ajudar nesse momento, escreva para [email protected]