ANPECOM - Associação comercial por uma economia de comunhão. Logomarca da ANPECOM, composta por meio globo mostrando o mapa do Brasil seguido do nome da associação

Profor e empresa argentina realizam cinco dias de intercâmbio profissional em Recife

03/09/2018

Representantes da Turismo Sustentable do Noroeste Argentino, TSNOA, da Argentina, chegam em Recife, PE, na tarde do dia 13 de agosto. O objetivo é a troca de experiências e aprendizados com o Programa de Fortalecimento de Negócios Inclusivos e de Comunhão, PROFOR, durante cinco dias. Os visitantes são catorze pessoas, entre técnicos e representantes das comunidades e ao longo desse período podem descobrir o que é a Economia de Comunhão.

O encontro surgiu por intermédio da Associazone Mondo Unido, AMU, organização internacional de origem italiana que conhecendo os dois programas viu a oportunidade de aprendizado e crescimento mútuo. Lia Guillén que é paraguaia e representante AMU na América Latina, logo entrou em contato com Raiana Lira Cabral, Profor, e Agustin Cabezas, TSNOA, e colocaram a ideia em prática.

A PROGRAMAÇÃO

O dia 13 é reservado para descansar de uma viagem de 32 horas e ir ao mar, o que, para alguns, foi novidade. Ao lembrar desse momento, Lia Guillén, que acompanhou toda a experiência, afirmou que “muitos deles, recebem os turistas, mas nunca tinham feito essa experiência de ser turista. […] isso já foi muito enriquecedor e valioso para eles.”

O segundo dia tem momentos intensos de concentração em sala, com explicações feitas por Maria Clézia Pinto tanto sobre a Economia de Comunhão, quanto sobre a Anpecom, da qual é mobilizadora de recursos. É possível também conhecer mais sobre o Profor a partir das experiências de Guilherme Jungbluth, Rodrigo Apolinário e Francisco Carlos Xavier, tendo os dois últimos compartilhado suas experiências por meio de vídeos.

Para Rodrigo, mesmo à distância, participar deste momento foi uma experiência muito positiva, pois pode ver concretamente o quanto a Economia de Comunhão está se fortalecendo. “Chegar a novas pessoas, em especial pessoas de outro país, pessoas muitas vezes de outra realidade cultural mesmo,  realidade social, isso é muito significativo.”

José Carlos traz um novo ingrediente ao contar a história da sua empresa, Premosam. O empreendimento, fomentado pelo Profor, produz pré-moldados de concreto, com o objetivo de oferecer produtos de qualidade e excelência para Igarassu, PE, e região. À noite são proporcionados momentos de intercâmbio cultural entre os moradores locais e os convidados.

Na quarta feira, a agenda leva todos a campo para conhecer o projeto Campo Fértil, Guaranhuns, PE, que participou da primeira edição do Profor. Roberto Luna, responsável do projeto, recebe a todos com uma atmosfera familiar. Ao conhecerem o espaço de cultivo, os argentinos contribuem com várias ideias e a troca de informações gera um momento de crescimento para todos os envolvidos.

Com a visita, é possível observar com clareza o impacto efetivo e direto do programa. Uma parte importante do dia é a interação com a cultura local que, além de degustação de alimentos da região, permite se familiarizar com a situação em que se encontra o projeto e a comunidade que atende. Para Maria Clezia, “esse momento foi um dos pontos altos pela possibilidade da construção de bens relacionais.”

O foco do quinto dia é empreendimentos de impacto social liderados por jovens. Além de ouvirem a história de Diogo, um jovem empreendedor, no período da tarde há a oportunidade de conversar por skype com Melina Borges, articuladora da Anpecom, sobre como acontece a parceria com a Aliança Empreendedora e os efeitos que o seu método traz. Com mais de três anos de experiência com os workshops para jovens empreendedores, Melina compartilha os caminhos percorridos e resultados concretos que já foram alcançados.

Logo em seguida, a TSNOA se apresenta e reconhece a importância de contar a própria história para reconhecer as conquistas que a compõe. O programa teve início em junho de 2010 como reflexo da percepção do potencial turístico do norte da Argentina. Antes que grandes empresas dominassem a região, houve a ideia de propor uma forma de turismo sustentável e fomentar as atividades da população local. Desta forma, eles mesmos poderiam, com orgulho, mostrar toda a riqueza que a região e sua população podem oferecer.

Uma presença marcante é a da colaboradora voluntária do Profor, Vanize Resende, que compartilha suas experiências, além de tempo e reflexões sobre a promoção das transformações sociais.

A festa de encerramento a noite e em alto estilo e celebra os cinco dias de troca, respeito e aprendizado. Para Lia, nesse período “o grupo entendeu a inspiração do Profor que é a economia de comunhão, então eles puderam conhecer a economia de comunhão.”

O TURISMO SUSTENTÁVEL

De acordo com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, ICMBio, autarquia vinculada ao Ministério do Meio Ambiente e integrada ao Sistema Nacional do Meio Ambiente, “Turismo Sustentável tem como objetivo atender simultaneamente às necessidades dos turistas e das comunidades receptoras, protegendo e ampliando as oportunidades para o futuro.”

O processo é baseado em respeito e na integridade cultural e ecológica local. A longo prazo, o fortalecimento da atividade turística sustentável pode gerar benefícios sociais permanentes para as comunidades, uma vez que também promove a manutenção de recursos financeiros da região.

A Organização das Nações Unidas, ONU, declarou 2017 o ano do Turismo Sustentável, uma vez que é reconhecido como um dos principais geradores de emprego do mundo, ajuda a reduzir a pobreza, valoriza as diferenças culturais e contribui para o fortalecimento da paz mundial. Uma das medidas concretas realizadas pela entidade foi definir 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODS, dos quais o turismos sustentável encontra-se em três, ressaltando a importância da promoção, conservação e uso consciente de bens sociais e naturais.

 

SAIBA MAIS SOBRE A TURISMO SUSTENTABLE NOA

SAIBA MAIS SOBRE O PROFOR