ANPECOM - Associação comercial por uma economia de comunhão. Logomarca da ANPECOM, composta por meio globo mostrando o mapa do Brasil seguido do nome da associação

Mais de 300 motivos para você conhecer os resultados do Supera em 2018

18/12/2018

Pela impossibilidade de termos filhos, minha esposa e eu decidimos pela adoção, chegando Ana Sofia, que nasceu com catarata congênita precisando de muitos cuidados. Hoje, com 9 anos de idade, ela ainda não está alfabetizada e precisa de acompanhamento de especialistas. Sou representante comercial e perdi a representação da principal empresa fazendo com que minha renda caísse em torno de 70%. Em 2016 a situação ficou muito difícil e foi quando fomos agraciados pelo programa Supera, da Economia de Comunhão (EdC). Em breve, Ana Sofia alcançará o objetivo de ler e escrever como tantas outras crianças na sua idade. Muito obrigado a todos da EdC!

Esse é apenas um dos depoimentos das aproximadamente 418 pessoas apoiadas direta e indiretamente pelo Programa de Superação da Vulnerabilidade Econômica, o Supera, em 2018, administrado pela Anpecom em todo o Brasil.

Mais do que compartilhar resultados, queremos nos unir ao obrigado do pai da Ana Sofia a todos aqueles que colaboraram com a Campanha Comunhão e Ação, que arrecada fundos, todos os anos, para o Supera.

Em 2018, a arrecadação atingiu os R$ 278.594,41, entre doações de pessoas físicas e de empresas, com destaque para um aumento de 38% das doações comparadas ao ano passado.

 

 

 

 

 

 

Os projetos beneficiam os participantes em quatro grandes áreas: necessidades básicas, com ajuda temporária a crianças, jovens e adultos que não têm a possibilidade de ganhar o próprio sustento; saúde, possibilitando que pessoas enfermas realizem seus tratamentos; educação, com bolsas de estudo para crianças, jovens e adultos; e habitação, proporcionando dignidade às famílias com melhorias de suas moradias.

Qual o diferencial do Supera?

Em muitos aspectos, o Supera pode se parecer com qualquer outro programa de auxílio à pessoas em vulnerabilidade econômica.

Tendo como suporte, porém, a Economia de Comunhão, ele não se resume a uma simples ajuda.

“Não existe aquele que dá e aquele que recebe. É algo recíproco. Uma pessoa de Teresina foi uma das participantes e agora é uma que ajuda voluntariamente no programa. Entendemos que o Supera não é assistencialista. É um relacionamento de comunhão verdadeira. Todos têm algo para dar”, explica Célia Regina, coordenadora do Programa.
Isso se explica desde a escolha dos projetos beneficiados. A Anpecom possui uma rede de 13 agentes espalhados pelo Brasil que visitam e fazem o acompanhamento periódico das famílias participantes.
Esses agentes, antes de mais nada, criam um relacionamento com as pessoas em vulnerabilidade, entendem suas dores, ajudam na organização do orçamento, por exemplo, e são responsáveis por levar à Anpecom suas dores e necessidades.
Mas o diferencial não encerra aí. “Temos feito um trabalho para que o objetivo maior seja desenvolver a plena autonomia das pessoas e o reconhecimento da própria dignidade. As vezes ela está tão dentro (do problema) que não consegue ver uma saída”, completa Célia.

 Ciclo do bem!

Portanto, o Programa gera um verdadeiro ciclo. Os participantes apresentam suas necessidades, recebem o auxílio, recuperam a própria autonomia e, por vezes, se reinserem no ciclo, agora como doadores.
Este “ciclo do bem” foi inclusive o tema do Supera em 2018.

“Vimos que no nosso ecossistema, fazer o bem é fazer circular os elementos básicos para que os participantes vivam tudo com dignidade. O ciclo do bem significa que é algo que deveria circular entre todos. Todo mundo ganha”, explica Célia.

Por isso, mesmo que a campanha Comunhão e Ação dure apenas alguns meses, o trabalho de comunhão, relacionamento e recuperação da dignidade nunca cessa. Está em constante movimento.

O depoimento da Claudinete, é uma prova disso.
Sou Claudinete, sou pedagoga, mas tive que me afastar porque fui diagnosticada com fibromialgia. Consigo um contrato num período curto do ano para trabalhar recebendo uma bolsa que não é o suficiente para os tratamentos fisioterapêuticos que me ajudam a controlar as dores e para suprir minhas necessidades básicas. Sou grata a EdC porque contribui para que eu supere as dificuldades! Para retribuir de alguma forma ajudo a minha comunidade em suas necessidades”.

A partir dessa ideia, a Anpecom convida a todos os colaboradores a fazerem parte deste ciclo, doando também o ano inteiro!

Saiba mais sobre o Supera neste link: https://bit.ly/2Br6VuV

Autor: Cibele Lana