ANPECOM - Associação comercial por uma economia de comunhão. Logomarca da ANPECOM, composta por meio globo mostrando o mapa do Brasil seguido do nome da associação

Muito além de roupa nova

21/08/2018

Um acidente de carro foi a gota d’água para Sandra Pereira: sinal de que, apesar de uma trajetória bem-sucedida no mundo corporativo, algo estava desbalanceado em sua vida. A partir dessa constatação, ela decidiu mudar de vida. Deixou o trabalho em São Paulo e voltou para Caucaia do Alto, distrito de Cotia, na região metropolitana de São Paulo. A opção pelo retorno às raízes veio acompanhada do desejo de provocar impacto na realidade local, de trabalhar para melhorar a condição de vida das pessoas à sua volta. A forma de fazer isso Sandra encontrou no empreendedorismo.

Tudo começou com o nascimento da sobrinha, que a fez constatar a falta de opções, no comércio local, de roupas
e acessórios para a primeira infância. Ela, assim como os demais habitantes do distrito, precisava percorrer longas
distâncias até municípios vizinhos para encontrar variedade desses artigos. Ao constatar a dificuldade dos moradores, Sandra encontrou uma oportunidade de empreender e, ao mesmo tempo, de ir ao encontro de uma necessidade local. Ela, então, se inscreveu em um programa de fortalecimento de negócios de impacto
social que naquele período estava sendo promovido na região. Até então ela tinha apenas uma ideia, nem mesmo
havia feito um plano de negócios para a empreitada, mesmo assim foi selecionada e recebeu acompanhamento para
estruturar a PP Kids, nome que deu à loja que abriria meses depois. “Eu amo esse lugar, eu não pretendo morar em outra cidade. Aqui é minha raiz, então eu quero esse lugar melhor e quero que as pessoas realmente vivam melhor”, relata.

Desde quando começou a planejar a nova empresa, Sandra sabia que simplesmente abrir uma loja de artigos infantis
não era o suficiente. Por isso a PP Kids traz em seu modelo de negócios a proposta de comercializar roupas e acessórios feitos por costureiras e artesãs da região. “As pessoas chegam, gostam e eu já falo do projeto. A gente vai começar a cadastrar as costureiras, vai formar um comitê avaliador. Quando a gente fala da ideia, as pessoas se encantam porque veem uma oportunidade de venda daquele produto que elas fazem tão bem”, conta a empresária. Ao trazer esses artigos para dentro de sua loja, Sandra quer oferecer a oportunidade de uma renda extra para famílias da região.

A preocupação com o equilíbrio financeiro das famílias não para por aí. Sandra também busca ajudar a diminuir
o endividamento das famílias ou, ao menos, contribuir para que não aumente. “A gente não tem a facilidade do crediário, porque a gente sabe que as pessoas se endividam muito. Além disso a gente sabe que o comerciante não fica com o prejuízo de quem não paga. Aquele que paga, vai pagar pelo inadimplente. Então essa facilidade a gente não colocou para não aumentar o endividamento das famílias da região”, relata.

A PP Kids abriu as portas no primeiro semestre deste ano e, assim como qualquer comércio no estágio inicial, terá que enfrentar uma série de obstáculos para se consolidar. Os desafios, porém, não impedem Sandra de planejar, inclusive, a próxima frente de impacto social: itens de vestuário voltados ao público com deficiência auditiva
e visual. Por enquanto, o projeto ainda está na gaveta, mas se depender da empresária, em pouco tempo as peças
já estarão na vitrine.

Notícia publicada na Revista Cidade Nova de agosto.

Autor: Thiago Borges