ANPECOM - Associação comercial por uma economia de comunhão. Logomarca da ANPECOM, composta por meio globo mostrando o mapa do Brasil seguido do nome da associação

Para além das doações de fim de ano: como implementar uma cultura social na minha empresa?

13/07/2021
cultura EdC

É comum em dezembro empresas recolherem doações, fazerem visitas a projetos sociais ou campanhas de recolhimento de donativos. O impacto dessas iniciativas é concreto, mas para muitos empreendedores e empreendedoras não é o bastante. 

A Economia de Comunhão tem como base da sua cultura econômica a erradicação da pobreza, por isso, para a nossa rede, trabalhar e compartilhar recursos por esse propósito é algo intrínseco e, mais do que um projeto solidário, um verdadeiro estilo de vida e de gestão em constante aperfeiçoamento. 

Por isso, se você como empreendedor ou empreendedora sente esse mesmo chamado, mas se sente sozinho(a) e não sabe por onde começar, conheça a seguir o relato de um empresário e de uma empresária que lideram empresas com uma cultura social. 

Germán Miguel Jorge é empresário e CEO da DIMACO S.A, empresa de marketing e distribuição por atacado de materiais de construção que está localizada na Argentina,  no Entre Ríos e no Paraná. German, CEO da DIMACO S.A

A DIMACO tem uma relação muito próxima e muito sólida com as comunidades ao entorno de suas sedes e é esse sentimento de pertencimento que impulsiona uma cultura voltada ao social. 

A companhia já investiu em projetos como da Petropack, doando recursos para compra de materiais e pagamento de professores em cursos de capacitação de pedreiros; também contribuiu com recursos materiais para a construção de um complexo comunitário esportivo no bairro Mitre, nas proximidades; colaborou com a construção de uma nova cozinha no Centro Social La Casitta Estrella que oferece oficinas de culinária e costura para aumentar a geração de renda; e apenas para citar mais uma iniciativa, também doou recursos para a construção de um espaço adequado para os produtores de mel da região.

Para justificar as iniciativas, German Jorge é enfático. “O importante para nós não é fazer grandes negócios. O importante é tornar esses negócios grandes o suficiente para melhorar o mundo, ajudar muitas pessoas a serem mais felizes, e também nos tornar mais felizes enquanto fazemos isso”.

“Em alguns casos, os funcionários desenvolveram voluntariamente ações fora do horário de trabalho e solicitaram recursos da empresa para realizá-las”, nos conta Jorge. Segundo ele, essas práticas são adotadas desde a concepção da empresa, que nasceu com o desejo de colocar em prática a cultura da EdC e se tornou a própria essência da DIMACO.

Outra empresa que traz em sua cultura o propósito de reduzir a pobreza é a Santa Clara Laboratório Médico. Dora Marques, diretora do Santa Clara, conta que não existiria o laboratório se não fosse um ideal maior de ser um agente de transformação para diminuir as desigualdades que estão ao redor. Desde sua fundação, em 2006, a empresa realiza diferentes exames por custos mais acessíveis e realistas para a comunidade que reside na região de Cotia (SP). 

No início da pandemia, em abril de 2020,  Marques afirma que o laboratório estava pronto para fechar as portas. “Nosso faturamento chegou a cair mais de 80%. Já havíamos contraído empréstimos consideráveis, antes da pandemia, para sobrevivência mesmo. Mas, apesar disso, continuamos trabalhando e nos aperfeiçoando cientificamente, como podíamos para ajudar neste momento conturbado”. Apesar das dificuldades, hoje é o único laboratório de Cotia a receber a habilitação para o Covid-19 pelo Instituto Adolfo Lutz.

Para ela, a ação das empresas deve começar internamente para evoluir cada vez mais ao externo, à comunidade, aos vulneráveis German complementa que muitas empresas têm programas de Responsabilidade Social, mas ainda não têm a concepção e o conhecimento da força que tem uma vida voltada para o bem comum também nos negócios.

“Acredito que uma abordagem da cultura de doação permite o verdadeiro desenvolvimento da pessoa e da empresa como uma comunidade”.

Olhar para a comunidade ao entorno e se sentir parte dela, além de ter como objetivo do próprio negócio a solução de um problema social são dicas para um bom começo. 

Entre em contato com a EdC e saiba mais.